ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida
25 Mar 2019
ENA protagoniza uma cerimónia simbólica de entrega de lâmpadas LED no âmbito do projeto EDULUX

A sede da ENA foi ponto de encontro para a apresentação deste projeto de Eficiência Energética aos sócios que fazem parte da Assembleia Geral da agência


A sede da ENA foi o ponto de encontro esta manhã para uma cerimónia simbólica de entrega de lâmpadas LED no âmbito do projeto EDULUX, que promove a Eficiência Energética na iluminação interior de Escolas Básicas (1º ciclo) e que vai permitir substituir 27.478 lâmpadas convencionais em cerca de 200 escolas de Palmela, Setúbal e Sesimbra (municípios que integram a ENA), mas também Barreiro, Moita, Montijo, Alcochete, Seixal e Loures, municípios que integram as Agências de Energia parceiras desta candidatura: S.Energia (líder do projeto), AMESEIXAL e AMEAL.

Este ato contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, Francisco Jesus, o vereador municipal Sérgio Marcelino, assim como a vereadora da Câmara Municipal de Setúbal, Carla Guerreiro, o vice-presidente da Câmara Municipal de Palmela, Adilo Costa, e a Presidente do  Conselho de Administração da ENA, Fernanda Pésinho, quem apresentou o projeto aos sócios da ENA no âmbito da realização da sua Assembleia Geral ordinária.

O projeto “EduLUX”, cujo objetivo é melhorar a eficiência energética na área da iluminação interior nas Escolas Básicas do 1º Ciclo, contribui para a melhoria das condições de conforto e visibilidade dos utentes nos locais das intervenções.

Resultando de uma candidatura ao PPEC da ERSE, esta medida permite não só reduzir substancialmente os consumos de energia nas escolas como também melhorar a qualidade da iluminação das salas de aulas.

A implementação desta medida prevê a troca de lâmpadas tubulares fluorescentes de tecnologia T8 por lâmpadas tubulares LED e conta com um orçamento de 359.780 euros. Como resultado previsto, estima-se uma redução total de consumo de energia elétrica de 1.635.930 kWh/ano, o que se prevê que represente uma poupança anual de cerca de 200.000 €.

A ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos) financia cerca do 70% dos custos do projeto. Este cofinanciamento permitirá que o investimento realizado pelos municípios tenha um período de retorno financeiro inferior a 6 meses.